terça-feira, 13 de setembro de 2016

por Druso

"[...] Não me creiam separado de vocês por virtudes que não possuo.

"A palavra fácil e bem posta é, muitas vezes, dever espinhoso em nossa boca, constrangendo-nos à reflexão e à disciplina.

"Também sou aqui um companheiro à espera da volta.

"A prisão redentora da carne acena-nos ao regresso.

"É que o propósito da vida trabalha em nós e conosco, através de todos os meios, para guiar-nos à perfeição. Cerceando-lhe os impulsos, agimos em sentido contrário à Lei, criando aflição e sofrimento em nós mesmos.

"No plano físico, muitos de nós supúnhamos que a morte seria ponto final aos nossos problemas, enquanto outros muitos se acreditavam privilegiados da Infinita Bondade, por haverem abraçado atitudes de superfície, nos templos religiosos.

"A viagem do sepulcro, no entanto, ensinou-nos uma lição grande e nova - a de que nos achamos indissoluvelmente ligados às nossas próprias obras.

"Nossos atos tecem asas de libertação ou algemas de cativeiro, para a nossa vitória ou nossa perda.

"A ninguém devemos o destino senão a nós próprios.

"Entretanto, se é verdade que nos vemos hoje sob ruínas de nossas realizações deploráveis, não estamos sem esperança.

"Se a sabedoria de nosso Pai Celeste não prescinde da justiça para evidenciar-se, essa mesma justiça não se revela sem amor.

"Se somos vítimas de nós mesmos,  somos igualmente beneficiários da Tolerância Divina, que nos descerra os santuários da vida para que saibamos expiar e solver, restaurar e ressarcir.

"Na retaguarda, aniquilávamos o tempo, instilando nos outros sentimentos e pensamentos que não desejávamos para nós, quando não estabelecíamos pela crueldade e pelo orgulho vasta sementeira de ódio e perseguição.

"Com semelhantes atitudes, porém, levantamos em nosso prejuízo a desarmonia e o sofrimento, que nos sitiam a existência, quais inexoráveis fantasmas.

"O pretérito fala em nós com gritos de credor exigente, amontoando sobre as nossas cabeças os frutos e enfermidades que nos assaltam a mente, desarticulando-nos os veículos de manifestação. 

"Admitíamos que a transição do sepulcro fosse lavagem miraculosa, liberando-nos o Espírito, mas ressuscitamos no corpo sutil de agora com os males que alimentamos em nosso ser. 

"Nossas ligações com a retaguarda, por essa razão, continuam vivas. Laços de afetividade mal dirigida e cadeias de aversão aprisionam-nos, ainda, a companheiros encarnados e desencarnados, muitos deles em desequilíbrios mais graves e constringentes que os nossos.

"Nutrindo propósitos de regeneração e melhoria, somos hoje criaturas despertando entre o Inferno e a Terra, que se afinam tão estranhamente um com o outro, como nós e nossos feitos.

"Achamo-nos imbuídos do sonho da renovação e paz, aspirando à imersão na Vida Superior, entretanto, quem poderia adquirir respeitabilidade sem quitar-se com a Lei?

"Ninguém avança para frente sem pagar as dívidas que contraiu.

"Como trilhar o caminho dos anjos, de pés amarrados ao cativeiro dos homens, que nos acusam as faltas, compelindo-nos a memória ao mergulho nas sombras?!...

"Em derredor do nosso pouso de trabalho e esperança, alongam-se flagelos infernais...

"Quantas almas petrificadas na rebelião e na indisciplina aí se desmandam no aviltamento de si mesmas?

"O Céu representa uma conquista, sem ser uma imposição.

"A Lei Divina, alicerçada na justiça indefectível, funciona com igualdade para todos. 

"Por esse motivo, nossa consciência reflete a treva ou a luz de nossas criações individuais. 

"A luz, aclarando-nos a visão, descortina-nos ao cárcere de nossos erros.

"O Espírito em harmonia com os Desígnios Superiores descortina o horizonte próximo e caminha, corajoso e sereno, para diante, a fim de superá-lo; no entanto, aquele que abusa da vontade e da razão, quebrando a corrente das bençãos divinas, modela a sombra em torno de si mesmo, insulando-se em pesadelos aflitivos, incapaz de seguir à frente.

"Definindo, assim, a posição que nos é peculiar, somos almas entre a luz das aspirações sublimes e o nevoeiro dos débitos escabrosos, para quem a reencarnação, como recomeço de aprendizado, é concessão da Bondade Excelsa que nos cabe aproveitar, no resgate imprescindível.

"Em verdade, por muito tempo ainda sofreremos os efeitos das ligações com os nossos cúmplices e associados de intemperança e desagradamento, mas, dispondo de novas oportunidades de trabalho no campo físico, é possível refazer o destino, solvendo escuros compromissos, e, sobretudo, promovendo novas sementeiras de afeição e dignidade, esclarecimento e ascensão.

"Sujeitando-nos às disposições das leis que prevalecem na esfera carnal, teremos a felicidade de reencontrar velhos inimigos, sob o véu de temporário esquecimento, facilitando-se-nos, assim, a reaproximação preciosa.

"Dependerá, desse modo, de nós mesmos, convertê-los em amigos e companheiros, de vez que, padecendo-lhes a incompreensão e a antipatia, com humildade e amor, sublimaremos nossos sentimentos e pensamentos, plasmando novos valores de vida eterna em nossas almas.

"Somos Espíritos endividados, com a obrigação de dar tudo, em favor de nossa renovação. Comecemos a articular ideias redentoras e edificantes, desde agora, favorecendo a reconstrução do nosso futuro.

"Disponhamo-nos a desculpar os que nos ofenderam, com o sincero propósito de rogar perdão às nossas vítimas.

"Cultivando a oração com serviço ao próximo, reconheçamos na dificuldade o gênio bom que nos auxilia, a desafiar-nos ao maior esforço.

"Reunindo todas as possibilidades ao nosso alcance, espalhemos, nas províncias de treva e dor que nos rodeiam, o socorro da prece e o concurso do braço fraternal, preparando o regresso ao campo de luta - o plano carnal -, em que o Senhor pela bênção de um corpo novo nos ajudará a esquecer o mal e replantar o bem.

"Para nós, herdeiros de longo passado culposo, a esfera das formas físicas simboliza a porta de saída do inferno que criamos.

"Superando nossas enfermidades morais e extinguindo antigas viciações, no triunfo sobre nós mesmos, acrisolaremos nossas qualidades de espírito, a fim de que, em nos elevando, possamos estender mãos amigas aos que jazem na lama do infortúnio.

"Nós, que temos errado nas sombras, atormentados viajores do sofrimento, nós, que conhecemos o deserto de gelo e o suplício do fogo na alma opressa, poderíamos, acaso, encontrar maior felicidade que a de subir alguns degraus no Céu, para descer, com segurança, aos infernos, de modo a salvar aqueles que mais amamos, perdidos hoje quais nos achávamos ontem, nas furnas da miséria e da morte?

"Supliquemos ao Senhor nos conceda forças para a vitória, vitória que nascerá em nós para a grande compreensão. Somente assim, ao preço de sacrifício no reajuste, conseguiremos o passaporte libertador!"


quinta-feira, 24 de julho de 2014

"Nada como náseas, vômitos e maus estares
Franzidos de testas de um palmo
Estalados de dedos magros
Surtos psicóticos, vontades de dançar
Embebedar, em bebedar, bebe, dar

Enfim, ar, mar, céu azul
Admirar a lua cheia ao som ambulante
Festejar a noite dos amantes
Gritar, gritar, Gui, tá?

Tudo isso quando quero falar...

Quando você irá voltar?

Sou farsante

Amante

Anteamo!"

(Ana Elisabete Aragão)

domingo, 7 de abril de 2013

Fique em paz

Eu queria escrever da maneira que não me incomoda. Eu queria poder agir como eu mesmo, sem ter que dar satisfações a qualquer externo que eu esteja sujeito à. Eu quero poder querer e agir, não apenas querer. Também não quero mais olhar pra trás e deixar de acreditar no que vem pela frente. Penso que eu já sofri demais tentando e não conseguindo, e agora, que tenho a possibilidade de agir, por que eu não posso agir com a certeza de que estou merecendo essa ação? Por que eu não mereço ser quem eu sou? E por que não mereço merecer o que mereço? Por que achar que tudo vai dar errado? Pra que achar que vai? Não vai? Não se pode querer liberdade se não se arranca as correntes do pé. Não se pode querer mais do que se oferece. Não se pode querer ser o que não se é. Causa e efeito. Conhece-se a fruta pela semente, e o que, você que me assiste, tem plantado? Posso eu plantar o que você não quer que eu plante? Tenho o direito de tentar e conseguir. Tenho direito de escolher e acertar. Tenho direito de amar e ser amado. Todos nós temos. Todos nós... Dar e receber; não o contrário, nunca o contrário. Como exigir do Universo o que você não exige de si? Ele apenas reage ao que você é, e, se você ainda não percebeu, comece. Deixe de errar e você vai ver o quão errado você estava em permanecer no erro. Comece a acertar, e você vai perceber o quão certo estava desde o início. Escute-se a si mesmo, mas não à sua ganância, ou sua falta de responsabilidade consigo; escute-se além do escutar, além do que é, e você perceberá que, desde sempre, você já sabia quem era. Acerte. Queira. Seja. Você pode muito mais do que pensa poder; você merece muito mais do que sequer pensou merecer.

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Maropo

A lua, quando cheia, se veste de marfim
Hoje contrastou o céu, toda sassaricada!
Ah, quem me dera, arranjar uma escada
Que a fizesse, pleníssima pérola plana,
Contemplada senhora dama
Descer ao topo de mim!


(Giovanna Maropo)

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Acrópole – mais uma busca frustrada.


Acrópole – mais uma busca frustrada.
Tudo está dentro do homem e é inútil procurar salvação longe de si mesmo”


A busca de nosso amigo Ricardo do Vale por alguma coisa que some conhecimento e sabedoria à sua vida terminou numa noite completamente estapafúrdia neste sábado passado.
À tarde, Ricardo foi a uma capela católica que julgava “o lugar do meu Eu Original” porque nascera no quartel onde fica a capela. Entre músicas animadinhas e jovens falando pelos cotovelos Ricardo não ficou um minuto a mais ali – saiu, alegre, escutando Killers – vou beber.


A Acrópole da filosofia
15/11/08 Sáb. Blues 9:04
Simplesmente, após ir a uma capela católica e me decepcionar comigo mesmo e não com a igreja e seus pupilos adolescentes que fazem crisma e secretamente se masturbam até subirem pelas paredes...


Ele jantou muito bem e saiu, escutando Sepultura. Jamais abandonaria sua fé. Fora expulso de uma igreja na qual trabalhou ardentemente durante 10 anos de sua vida. Expulso porque “você não pensa como nós”. O ótimo foi que Ricardo não trabalhava para as pessoas. Nem para si. Para quem então? Para a Mãe, ainda que naquela época a conhecesse pelo nome de Pai.
Andou na praia. Comprou uma garrafa de vinho Country Wine, personagem célere de seu primeiro romance, Miriam.
E começou a beber o delicioso vinho.


... fui a uma Acrópole – enfim, uma Escola de Filosofia – cursos de Filosofia e Sabedoria Pura, como estudar, como ler.
Ao entrar, me deparei com um jardim, mais parecido com os jardins de Epicuro – fontes, plantas – e estátuas as mais diversas. Ultrapassados os Umbrais deste Templo do Conhecimento, me deparo com uma cesta de revistas, panfletos, papéis sobre Sabedoria – tudo PAGO. Frustrei-me. Esta, a Sabedoria, paga?!
Uma mulher me recebeu, a Mestra, aparentemente masculinizada ...


Quando a Lua saiu Ricardo realizou mais um sonho de sua vida – ver a lua cheia nascer. Nutrira este sonho durante anos a fio, desde que vira a Lua cheia no final de uma tarde, casualmente.
Enquanto a Lua nascia, ele se rejubilava – e se entupia de vinho, julgando-se um mago. E por que não?
“Eu sou um bruxo, enfim”, pensou. “Um Mago”. Tentara as religiões, mas nada. Como percebera que estava entrando em mais uma crise de loucura, tentou amenizar e disse: “Não sou bruxo. Que é um bruxo? Os wiccanos certamente fazem a mesma coisa que se faz nas igrejas pelas quais passei: se reúnem para conversar banalidades e fazer rituais. O que eu sou então? Eu sou.”
“O Universo é a minha igreja.”
A estas alturas, a Mestra, as fontes epicuristas, aquele templo feito de tenda de praia, a piscina com inscrições de Buda e os saquinhos de chá pareciam elementos distantes de outro mundo.
Foi quando ele viu o Sinal.


- Já deu seu e-mail? – disse a mulher masculinizada.
Prudentemente não dei o e-mail. Observei as revistas cozinha água chás piscina estátuas filosóficas mangueirinhas e até máscaras – e os ouvintes, quase todas mulheres loiras, botox, sorrisos artificiais, buscando algo, uma resposta – que jamais será encontrada e infinitamente menos num Curso de Filosofia Prática onde o lema interessantíssimo é: HOUVE UM TEMPO EM QUE A FILOSOFIA ERA PRÁTICA... ESSE TEMPO VOLTOU.
A submestra nos homenageou com 4 ininterruptas poesias falando da Beleza.Eu tenho absoluta certeza de que as pessoas que vivem falando de beleza em poesia são completamente frustradas porque gostariam de namorar alguém a quem nunca dirigiram uma palavra. Pode ser um julgamento, mas julgo primeiro a mim porque eu vivi 15 anos neste estado patético.
A entonação da submestra, seu Desejo, era tão premente que algumas das mulheres presentes sorriam, ainda que de forma patética ou mesmo incitada pelo Prozac.


Uma coruja branca parou diante de Ricardo e ficou estática no ar. Havia então a Lua, que a estas alturas estava bela, e a coruja. Era o Sinal.


Um sinal é uma coincidência. É apenas outro nome para coincidência; neste caso, um nome espiritualizado. Se tudo é Acaso, louvemos a este Deus – o Acaso – que é capaz de fazer uma coruja parar na frente de um ser humano (bêbado) e (corta).
Ele andou, foi pro blues e sentou numa mesa para escrever. Após escrever algo sobre a palhaçada na Escola de Sabedoria, continuou:



A Mestra entrou. Seu sorriso era benzodiazepínico, seu cabelo, preto, e sua roupa baixoautoestímica. Ela entrou – após a sessão inesgotável de poesias das Musas Gregas evocando deusas que não existem no entanto na mente de um(a) filósofo(a) existem – e deu a sentença.
- Falaremos sobre Buda.
Ela tinha cara de quem estava pensando em QUALQUER coisa – sei lá, na filha que saiu e gritou, no marido inorgástico, na péssima imagem de seu templo filosófico – MENOS EM BUDA. Seu interesse era zero.
A Mestra, que na verdade era Psicóloga, discorreu de forma resumida a história de Gautama – uma história que as pessoas adoram ler, falar, comentar, dissecar com seus palavrórios inúteis, MENOS PRATICAR. Falou, adaptou, disse que tirássemos lições para nós – em outras palavras, não precisa levar isso a sério demais, aproveite alguma coisa pra não pirar e para sair da depressão matinal –“sem levar a sério demais”.
Eu levantei e fui embora comprar uma garrafa de vinho.


Andou, foi pro blues, bebeu uma Heineken, jogou xadrez com um rapaz de 19 anos absolutamente educado, gentil e nobre. O rapaz, vendo que Ricardo fora “humilhado pelo meu professor de xadrez quando eu tinha 15 anos e” (melodrama inconsciente) passou gentilmente a ensinar-lhe algumas jogadas e depois chamou-o para junto de seus amigos para jogar sinuca. Ricardo não foi. Foi para o balcão. Segundo sua sabedoria deliróide, ficar no balcão era símbolo de que “Ele vai ver que não estou na cola dele”. Comentários à parte, Ricardo encheu a cara e com a maior naturalidade deu um papel com nome telefone e msn ao rapaz, que recebeu gentilmente. Ainda existem cavalheiros neste mundo enfim.
- Eu vou me suicidar!!! – disse Ricardo a Cronos. A estas alturas ele estava absolutamente bêbado.
Cronos ficou preocupado, até por causa do “histórico” de Ricardo com problemas pessoais, mas sorriu, pois sabia exatamente o que estava acontecendo – Ricardo estava sendo ele mesmo. Já não era o “mestre” que dá lições a todo mundo, sentando de forma bipolar no meio de uma pista movimentada ou lendo livros depressivos no inverno. Era o Ricardo original, cheio de dúvidas, medos e conflitos; um ser humano!
Ricardo nunca quis ser mestre de ninguém. Nem seguir mestre algum. Mas, no fundo de seu ser, queria ensinar aos integrantes do Nya a seguinte lição: o que você sabe, pratique, senão seu conhecimento se voltará contra você e o dilacerará.
Enchera o saco. Vira na igreja, durante anos a fio, os pastores pregando coisas que nem eles nem os outros vivem. Passara então a viver uma vida de risco, dando até seu MSN a um rapaz que sequer conhece. Mas ele tem uma capacidade incrível de ver a aura dos outros.
“Ninguém sabe quem é ninguém”.
Mentira.
Conhecemos as pessoas pelo que falam, comem, bebem, pelos lugares que freqüentam, e principalmente pela forma como tratam os pais.
As mentiras religiosas dilaceraram Ricardo a ponto de ele entrar num colapso nervoso. Ele não entendia como poderia vir a ser puro e, neste transtorno bipolar espiritual, oscilava do libertino ao santo tantas vezes que a coisa já virara uma piada barata.
Retornara ao catolicismo, cristais, magia, budismo, enfim, nada o satisfazia.
Porque ele já estava satisfeito.
Mas você tem que ter mais. A ambição espiritual de Ricardo nunca foi pelo Poder. Teve três experiências sobrenaturais, que serão relatadas na hora certa. Mas ele só queria o Dom Supremo. O Amor. E queria externar este amor na igreja. Externou. E foi excomungado.
Porque é melhor gritar, odiar e comer vivo o outro. Mas amar é pecado, sujeira.
- Eu vou me suicidar!!!
Cronos deu-lhe água, ele nem sabia o que estava fazendo, e vomitou. Após vomitar, deu um belo discurso, bem coerente até, e foi aos trancos para casa – não sabe sequer como caiu na cama.


XXXIII DOM. COMUM (Cor Verde, I semana do saltério)


Ricardo do Vale

segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

"[...] não dá pra evitar simplesmente um sentimento apenas pela aparente possibilidade do erro em pensar positivo; pode ser que eu esteja errado, mas a única coisa que irá refletir minha conquista ou o meu fracasso é o futuro. por isso que eu tento."

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Princípio Divino


"Assim como a obra de um artista é a manifestação visível da natureza invisível de seu autor, toda criação é um "objeto substancial" da deidade invisível de Deus, o Criador. Sua natureza é demonstrada em cada criação. Assim como nós podemos sentir o caráter de um autor através de suas obras, podemos perceber a deidade de Deus pela observação de Sua criação.

"Para conhecer a natureza da deidade de Deus, vamos examinar fatores comuns, que podem ser encontrados em Sua criação. Uma criação, seja lá qual for, não pode vir a existir até que se realize o relacionamento recíproco entre positividade e negatividade, não somente dentro de si mesmo, mas também em relação a outros seres. Por exemplo, partículas, que são os componentes essenciais de toda matéria, têm positividade, negatividade e neutralidade, sendo esta produzida quando o positivo e o negativo se neutralizam. Quando as duas características entram em relacionamento recíproco, estas partículas formam um átomo.

"Todo átomo assume as características de positividade ou negatividade e, à medida que as características duais em cada átomo produzem relacionamentos recíprocos com outros átomos, eles formam moléculas materiais. A matéria, que é formada desta maneira - de acordo com o relacionamento recíproco entre estas duas características - torna-se nutrimento para animais e plantas, quando é absorvida por eles.

"Todas as plantas existem e se multiplicam através de um relacionamento que ocorre entre o estame e o pistilo, enquanto o mesmo ocorre no mundo animal através de relacionamento entre o macho e a fêmea. 

"Com respeito ao homem, Deus criou um homem (masculino), Adão, no início; então, vendo que não era bom que o homem estivesse só (Gn 2.18), fez a mulher (feminino), Eva, como objeto de Adão, e pela primeira vez Deus viu que sua criação era "muito boa" (Gn 1.31). Assim como um "íon" positivo ou negativo, mesmo depois da dissociação, é de fato a combinação de próton (positivo) e elétron (negativo), o estame e o pistilo da planta, e o macho e a fêmea do reino animal podem também existir somente através de um relacionamento recíproco entre suas essencialidades duais de positividade e negatividade. Assim também há uma característica feminina latente em todo homem, e uma essência masculina em toda mulher. Os aspectos de todas as coisas na criação existem em uma base recíproca, tal como dentro e fora, interno e externo, anterior e posterior, direito e esquerdo, superior e inferior, alto e baixo, forte e fraco, longo e curto, largo e estreito, leste e oeste, sul e norte. Isto é porque todas as coisas foram criadas para existirem através de um relacionamento recíproco entre suas essencialidades duais.

"Como vimos, todas as coisas existem através de um relacionamento recíproco entre as essencialidades duas de positividade e negatividade. Devemos, além disso, conhecer o relacionamento recíproco entre outro par de essencialidades duas, que é mais fundamental ainda do que o de positividade e negatividade. Tudo na existência tem tanto forma externa como caráter interno. A forma externa é visível e reflete o caráter interno, que é invisível. Embora o caráter interno não possa ser visto, ele assume uma certa forma de modo que a forma externa vem a assemelhar-se ao caráter interno quando aparece numa forma visível. O "caráter interno" e a "forma externa" referem-se aos dois caracteres, que são os dois aspectos relativos da mesma existência. Neste relacionamento, a forma externa pode também ser chamada de "segundo caráter interno", de modo que juntos nós o chamamos de "características duais" ou "essencialidades duais".

"Podemos tomar o homem como um exemplo. O homem é formado de corpo, a forma externa, e mente, o caráter interno. O corpo visível se assemelha à mente invisível. O corpo assume a forma que se assemelha à forma projetada pela mente. Eis a razão porque se podem julgar o caráter e o destino invisível do homem por sua aparência externa. Chamamos à mente de "caráter interno", e o corpo de "forma externa". Aqui também, sendo nossa mente e nosso corpo dois aspectos relativos do mesmo o homem, o corpo pode ser chamado de "segunda mente", ou uma duplicação da mente. Juntos, damos a eles o nome de "características duais do homem". Agora podemos entender o fato de que tudo existe através de um relacionamento recíproco entre as duas características de caráter interno e forma externa."